• Curta no Facebook!

 

 

Empresas Coligadas

 

 

 

Notícias

 

Comunicado para os Corretores, o mercado e a imprensa

8/5/2020 - Fenacor

Compartilhe:

 

Susep chama BB provavelmente para resolver problemas do “Novo” Sistema de Corretores de Seguros e, com isso, abre acesso a todos os seus dados e, possivelmente, dos corretores de seguros para o BB. E Agora?

A BB tecnologia e Serviços – controlada diretamente pelo Banco do Brasil S/A – foi convocada para socorrer a Susep e disponibilizar emergencialmente uma equipe de analistas que, ao que tudo indica, tentarão arrumar e consertar o frágil sistema utilizado pela autarquia para o recadastramento dos corretores de seguros, visto que a força tarefa, por prazo indeterminado, somente se deu em momento posterior à disponibilização do “novo” Sistema.

A convocação e autorização foram feitas através da Portaria No 11.304, publicada pelo Ministério da Economia nesta sexta-feira (08/05), no Diário Oficial da União (Vejam o teor dessa portaria neste link: http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-11.304-de-5-de-maio-de-2020-255876146

Esse “novo” sistema, como a FENACOR já denunciou inúmeras vezes, é cheio de falhas, inconsistências e totalmente inseguro. Está sujeito a fraudes, pois não há segurança de dados, o que deixa expostos todos os corretores e empresas corretoras de seguros.

Agora, para agravar ainda mais a situação, na prática, poderão ser abertos para uma empresa controlada pelo Banco do Brasil S/A – que é sócio da BB seguridade e da BB Corretora de Seguros – todos os dados de todo o sistema da autarquia inclusive de todo o mercado, seguradoras e dos corretores de seguros brasileiros que se dispuserem a fazer o recadastramento.

Todas as informações poderão, assim, ser expostas para um concorrente gigante, que atua sob a poderosa proteção de uma instituição financeira estatal (estamos diante de um flagrante conflito de interesses?).

Isso durante um recadastramento realizado em um momento de tamanha gravidade, provocada pela pandemia do coronavírus, que já matou quase 10 mil brasileiros. Um completo desrespeito à vida, ao setor de seguros e, especialmente, à categoria econômica dos corretores de seguros.